Imagens da Nossa História - Mercado de Escravos








 
 


Mais de 10 milhões de cativos foram retirados do continente africano de 1500 a 1850 e quase metade deles desembarcou no Brasil.
O tráfico negreiro foi um costume introduzido pelo povo europeu. A descoberta de ouro e diamantes na região das Minas Gerais e a necessidade de mão-de-obra barata estabeleceu um crescente comércio de escravos entre os continentes americano e africano. Foi então que a miscigenação dos negros com o “povo brasileiro” (brancos e índios) começou.
O porto do Rio de Janeiro tornou-se um ponto estratégico para o desembarque dos navios e o principal local era a atual Praça Quinze. Nesta época, o lucro de uma viagem negreira era muito superior à receita anual de um grande engenho.
O mercado negreiro passou a ser controlado por empresas estabelecidas na cidade, onde havia a maior concentração de população escrava em área urbana existente, e cerca de 15 traficantes conduziam a maior parte do comércio entre o Brasil e Angola. Esta posição central se consolidou quando, em 1763, o Rio tornou-se capital do país.
Ao chegarem da África, os negros eram amontoados em galpões e depois expostos para venda. Cerca de 40% dos escravos que desembarcavam no Rio, neste período, morriam antes de 4 anos.
Em virtude da aglomeração dessas atividades comerciais, portuárias e negreiras, no final do século XVIII, as regiões do Morro da Conceição e do Morro do Livramento apresentavam-se bastante densas.
Esses fatores contribuíram para a mudança do mercado de escravos para um local menos incômodo, mais arejado, com hortas e chácaras. Foi escolhida, então, a região do Valongo, que compreendia Gamboa, Saúde e Santo Cristo. Isto estimulou o crescimento urbano do interior, com a criação de armazéns e trapiches, loteamento de áreas, abertura de ruas e aterramentos de pântanos.
Com a chegada da família real em 1808 e a abertura dos portos em 1815, a intensificação do movimento comercial acabou por provocar a ocupação populacional das encostas e morros do Rio. Para se ter uma idéia de como o crescimento da população na cidade foi estrondosa neste período, o índice de aumento habitacional entre os anos de 1808 e 1821 foi de 88%.
Tal incremento levou a construção de residências em áreas antes ocupadas pelos cemitérios e à conseqüente transferência do Cemitério dos Pretos Novos para o antigo Caminho da Gamboa.

Clique aqui e veja as Imagens da Nossa História